O conceito biodinâmico na osteopatia

Escrito por: Henrique Palin Bortolan

 

Histórico

O conceito Biodinâmico na Osteopatia sugere um renascimento dos princípios filosófico e espiritual ensinados pelo Dr. Andrew Taylor Still, fundador da Osteopatia, e pelo pai da Osteopatia Craniana Dr. William Garner Sutherland.

O profundo estudo dos aspectos dinâmicos da energia, e dos processos que organizam as funções do corpo deve-se ao Dr. Franklyn Sills, apoiado por uma equipe de médicos e osteopatas como o Dr. Rollin Becker, Dr. David Bohmin, Dr. James Jealous e outros.

Em 1975-1979 Franklyn Sills, com um grupo de outros estudantes entusiastas, estudaram as obras de Randolph Stone, D.C., D.O. que passou a vida pesquisando a sabedoria antiga das modalidades de cura tradicionais como a Ayurveda, Naturopatia, Osteopatia, Terapia Craniossacral, Filosofia Hermética, e fisica modera. A sua síntese chamou Teoria da Polaridade.

Dr. Franklyn buscou no Dr. Stone o princípio da energia primária e a essência do neutro, que por sua vez foi influenciado pela Osteopatia e pelo osteopata Dr. Willian Garner Sutlherland.

A mobilidade Craniana

O Dr. Sutlerland, no início do século XX, teve um intuição e relacionou as suturas dos ossos temporais com guelras de um peixe, cuja função é realizar o movimento respiratório. Pela arquitetura das suturas do crânio, acreditou que os ossos poderiam se mover. Realizou experimentos em si mesmo e concluiu que além dos ossos do crânio movimentar no adulto, tem uma função fisiológica importante e está conectado com outros tecidos, como as membranas, o sistema nervoso, e o fluido cerebroespinhal. Associou os movimentos com um sistema de respiração celular (rítmica), que pode ser palpado e que proporciona uma rica informação clínica.

Chamou esses estudos de “Osteopatia no Campo Craniano”, implicando que ele não criou nada de novo. Ele simplesmente aplicou o pensamento e os princípios da Osteopatia para o crânio.

Em 1945, o Dr. Sutherland teve uma experiência extraordinária que transformou toda a sua compreensão na abordagem ao trabalho de cura, quando ao tratar de um paciente enfermo com muitas dores e próximo da morte, teve um contato direto com uma profunda quietude e silêncio no sistema de movimentos sutis do paciente, que ele chamou “O Sopro da Vida”.

Dr. Sutherland nomeou o que o Dr. Still, havia escrito sobre o conceito osteopático no livro “Osteopatia, Diagnóstico e Prática”: “O primeiro “Grande Mecanismo” não deixa nada incompleto nos mecanismos de sua maior obra, O Homem. Dando-lhe tudo o necessário para o seu conforto e longevidade…

O osteopata busca a causa, elimina a obstrução e permite ao Medicamento Natural seguir pelo sangue arterial  e transformar-se em um médico. (…) A vida é substância universal ilimitada. Ela preenche cada um dos átomos e todos os espaços do Universo. A vida é a Sabedoria, O Poder e o Movimento de Tudo. É a mesma vida no Homem. É O Homem. Porque, então, não usar este poder? “

O principio filosófico osteopático

No século XIX, nos EUA o Dr. Andrew Taylor Still influenciado pelo seu sistema de crenças e insatisfeito com a atual medicina, desenvolveu a Osteopatia, um método para facilitar a saúde baseado no funcionamento das leis naturais da matéria, do movimento e da mente. A matéria (corpo) é o notável instrumento que expressa a vida, que é o movimento. A mente faz referência à inteligência universal que flui através de nós.

Segundo o Dr. Still, “A enfermidade é um efeito causada pela falta de abastecimento de algum fluído ou de alguma qualidade vitalizante”. Ele reconheceu a importância da homeotase para favorecer a livre circulação dos fluidos corporais, como pré-requisito para poder alimentar as células com os nutrientes adequados e retirar as toxinas.

Escreve sobre os três princípios básicos:

  • Estrutura e função guardam uma relação recíproca;
  • O corpo funciona como uma unidade, tanto na saúde como na doença;
  • O corpo é um mecanismo autocurador.

Dr. Still realça a importância do movimento no seu método. E a perda deste, afeta o funcionamento do mecanismo essencial que proporciona saúde ao corpo.

Esse princípio essencial à vida é rigorosamente seguido pelo Dr. Sutherland no desenvolvimento da Osteopatia Craniana que formulou seus princípios baseados nos ritmos sutis que estão no centro do corpo chamado Mecanismo Respiratório Primário. Esse mecanismo é composto por muitas estruturas interconectadas que expressa movimento em fase inspiratória e expiratória. Antecede todos os outros movimentos rítmicos vitais, pois é a manifestação da própria vida no corpo. É a base  do metabolismo corporal e de todos os processos da vida, pois cria movimento, e forma todos os elementos anatômicos e fisiológicos. O Mecanismo Respiratório Primario é o princípio orientador inerente, ou a “Inteligência Criativa”. A essa Inteligência, denomina-se “O Sopro da Vida”.

O Sopro da Vida

O Sopro da Vida transporta uma força poderosa, que cria ritmos sutis transmitidos pelo corpo, nele também está contido uma marca essencial a saúde, chamada Matriz Original. Segundo Dr. James Jealous essa marca é um princípio ordenador essencial ao funcionamento fisiológico a nível celular. Está presente no princípio da vida, quando as células do embrião começam a formar-se e diferenciar-se.

Dr. Sutherland acredita nessa Inteligência básica, e diz que os movimentos rítmicos presentes no Mecanismo Respiratório Primário transportam o Sopro da Vida pelo corpo, sendo possível facilitar a expressão dessa força vital para favorecer a saúde.

Movimento

De acordo com o Dr. Still, “Todas as partes do corpo obedecem à lei eterna da vida e do movimento.” Qualquer que seja a forma de energia, o seu movimento deve-se a algum tipo de relacionamento de polaridade (alto e baixo, calor e frio, positivo e negativo), ou seja, contenha dentro de si potencial para o movimento e para a mudança, assim estabelece o potencial para o fluxo.

A energia flui a partir de uma fonte neutra, por meio de um movimento positivo voltado para o exterior, que passa por um campo neutro e chega a alguma forma de completamento. Em seguida, ela é atraída de volta à sua fonte, por uma atração negativa e receptiva.

Ao afastar da Fonte Neutra, ocorrem várias fases de redução de energia, ou densificação, até encontrar resistência e perda da velocidade. No ponto final, ou “ponto de exaustão” cria uma tensão superficial, que é o local que se situa a forma física.  O ciclo se completa ao iniciar o processo de retorna-se á fonte, na fase seguinte. É um “circuito fechado”.

Esse movimento de energia é expresso por Pulsações. A pulsação apresenta uma fase ligada à expansão (voltada para o exterior) e outra à contração (voltada para o interior), essas duas fases geram a pulsação básica da vida.

As energias internas do homem são um reflexo de um movimento mais amplo de energia no universo como um todo.  Segundo David Bohm, a informação relativa ao todo está contida dentro de cada ser humano. Somos uma expressão explícita de um todo implícito. A física quântica denomina de Modelo Holográfico.

Quietude Intrínseca

No corpo humano, a fonte neutra é chamada Quietude Intrínseca ou segundo Sutherland, O fundo do mar. É o estado primordial e fundamental da forma e do surgimento da nossa individualidade, onde se encontra o pleno potencial de toda a criação.

O Mecanismo Respiratório Primário age como um transformador que reduz as poderosas energias do Sopro da Vida para poder operar no organismo, chamado por Sutherland, o processo de Transmutação (troca de estado, de forma).

As diferentes fases do Sopro da Vida surgem como uma força rítmica parecidos com marés. Uma fase expansiva (centrífuga) ou inspiratória, seguido de um volta (centrípeta) expiratória. O sutil movimento sobe e desce pelo corpo orientado pela linha média.

A linha média e o desenvolvimento embriológico

A organização do movimento ao redor da linha média é em função ao princípio do desenvolvimento embriológico com a formação da notocorda, ao longo da linha média do embrião em desenvolvimento. Esse processo está determinado pela força orientadora do Sopro da Vida, a linha média primordial que se expressa nos fluídos das células em rápido desenvolvimento. À medida que vai ocorrendo as divisões celulares e formando outros sistemas, a linha média primordial continua sendo o eixo cardinal que orienta e organiza o desenvolvimento embriológico.

Os tecidos crescem seguindo um desenho e um caminho particular, e então forma-se o seu fulcro natural, ao redor do qual o movimento cíclico em estado ideal é expresso.

O corpo está em constante reparação, regulação e regeneração. A cada momento, as forças intrínsecas trazem ordem e integração.

O fluído cerebroespinhal

Acredita-se que o fluido cerebroespinhal assimila e incorpora as forças biodinâmicas do Sopro da Vida principalmente no terceiro ventrículo em um movimento comparado a um dínamo, com o auxílio da glândula pineal.

O fluido cérebroespinhal recém potencializado entra em contato imediatamente com todos os órgãos vitais situados em torno da parede do terceiro ventrículo (hipotálamo, tálamo, gânglios da base) que junto com o quarto ventrículo detém importantes centros nervosos corporais, como os que controlam a respiração pulmonar, a circulação do sangue, a digestão, a eliminação, a homeostase e 10 dos 12 nervos cranianos.

Segundo Dr. Still, o fluído cerebroespinhal é o elemento mais elevado que se conhece no corpo humano, e devemos ajudar esse grande rio da vida a irrigar os tecidos que estão sofrendo ou a saúde corporal será perdida.

As marés

À medida que o Sopro da Vida se manifesta no corpo, geram uma série de ritmos parecidos com ondas (marés). Essas marés produzem movimentos sutis palpáveis, e são as principais forças autorreguladoras e autocurativas do corpo.

As marés têm duas fases de movimento: Inspiração e expiração. Na inspiração, o sutil movimento sobe pelo corpo, orientado ao redor da linha média do corpo, e expande lateral. Na expiração, o movimento desce, e retrai lateralmente. A combinação de uma fase de inspiração e expiração constitui um ciclo rítmico.

No Movimento Respiratório Primário, existem e são identificados três ritmos principais chamadas de as três marés. Todas com fases de inspiração e expiração com diferentes velocidades e níveis de funcionamento do Sopro da Vida.

Cada uma delas está em volta da outra, produzindo ritmos dentro de ritmos conhecidos como:

  • O impulso rítmico craniano
  • A maré média
  • A maré longa
  • O impulso rítmico craniano (IRC)

Com ritmo médio de 8 a 12 ciclos por minuto, é o desenvolvimento mais externo (superficial) do Sopro da Vida. No corpo saudável, o IRC também chamado de movimento craniosacral, ou cranial é simétrico e harmônico, com características de tensão recíproca (estica e encolhe).

Determina a mobilidade nos tecidos, ou o movimento de uma estrutura particular com relação à outra.

O ritmo é relativamente estável e registra a condição das estruturas fisiológicas, emocionais e mentais. Responde as mudanças do meio ambiente e a uma intensa emoção, além de doenças e da resistência dos tecidos corporais.

Cada estrutura expressa um padrão individual de mobilidade craniosacral tornando aspectos essências para um bom funcionamento do mecanismo respiratório primário como:

1-      A flutuação longitudinal do fluído cerebroespinhal

2-      A motilidade inerente do sistema nervoso central

3-      A mobilidade das membranas de tensão recíproca

4-      O movimento dos ossos cranianos

5-      O movimento involuntário do sacro entre os ossos ilíacos da pelve

Os cinco componentes primordiais do mecanismo respiratório primário estão em relação direta com o sistema de membranas durais e situam ao longo da linha média corporal.

A expressão do movimento respiratório primário não limita somente a esses tecidos. O Dr. Still atribui a fáscia um importante papel.

  • A maré média

São ritmos mais lentos e sutis, detectável na palpação e muito estável, subjacente ao IRC e ocorrem 2,5 ciclos por minuto. Transporta a bioenergia disponível (força biodinâmica) que tem a função de manter a integração e o equilíbrio fisiológico a nível interno.

A expressão da maré média nos tecidos e fluídos é como uma respiração interna, um movimento que surge dentro de cada estrutura particular chamado motilidade, que estimula e motiva os tecidos do interior do corpo a expressar seu movimento sutil.

Orienta-se ao redor da linha média do corpo. Na inspiração, sobe pelo corpo e expande lateralmente, na expiração, desce e estreita lateralmente.

  • A maré longa

É o primeiro movimento que irradia as qualidades essenciais do Sopro da Vida, a manifestação mais sutil da nossa força vital. É muito lento e profundo, com suas fases de aparecimento/expansão e retração pode ser palpado ao longo da linha media https://norsk-apotek.com/.

Os ciclos são a cada 100 segundos, são estáveis, não é afetada pelas oscilações de nossas experiências e condicionamentos cotidianos. Contém o conhecimento necessário para produzir a cura. É a base de todas as funções reguladoras do corpo e indica uma conexão com nosso recurso de saúde mais profundo.

Potências Biodinâmicas e Biocinéticas

A potência Biodinâmica no corpo é a força ordenante inerente do Sopro da Vida. Ela organiza “o mundo celular e dos tecidos”, mantendo a saúde e equilíbrio corporal.

As tensões e os traumas podem influenciar no funcionamento Biodinâmico, gerando uma contração das células e dos tecidos como extinto para proteção e defesa. Passado a agressão ou episódio, tratam naturalmente de recuperar sua forma e abandonar a contração.  Podem permanecer contraídos quando os recursos reparadores intrínsecos do corpo se esgotam.

Esses fatores estressantes e acumuladores de energia são chamados segundo o Dr. Becker de potência biocinética e podem surgir de fatores como lesões físicas, tóxicas, infecções, problemas psicológicos, meio ambiente e hereditários.

Se o fator estressante é muito forte (ou repetitivo) e o corpo é incapaz de eliminá-lo, a capacidade da potência biodinâmica pode ser excedida. Assim, as forças biocinéticas se instalam no corpo, sendo necessária uma concentração das forças biodinâmicas para minimizar os danos. Este lugar se transforma em uma área de inércia (fulcro inercial), que desvia o Movimento Respiratório Primário do seu fulcro natural, na linha média, e altera os padrões do seu movimento. O funcionamento fisiológico corporal é alterado.

As áreas de inércia podem ser palpadas pelo terapeuta como uma densificação que afeta o equilíbrio e harmonia do Movimento Respiratório Primário.

Os padrões estruturais que adota o corpo são uma expressão única de nossa saúde, história e experiência. Esses padrões restringem possibilidades e opções de movimentos, geram posições fixas e compensações na tentativa de auto regulação e proteção. O corpo encontra um equilíbrio dentro do desequilíbrio generic cialis from india.

A manifestação dos sintomas das enfermidades é parte da resposta inteligente do corpo, e tratar as causas é ter a oportunidade de encontrar níveis mais profundos de integração.

Os estados de doença crônica, degeneração e morte aparecem quando os mecanismos que ajudam a superar as adaptações das tensões são excedidos. No entanto, isto ainda é parte da inteligência natural da vida.

O papel do facilitador no processo de cura

A cura não esta relacionada unicamente com o desaparecimento dos sintomas, mas com a sustentação e integração com a totalidade individual. Isso se estabelece ao favorecer um maior equilíbrio da estrutura e função, ao ajudar a restaurar o Movimento Respiratório Primário nas áreas do corpo cuja conexão com a totalidade é fragmentada. A tendência para a integração e a saúde é inata, natural e está sempre presente. Para seguir o caminho da cura,  além de acessar os recursos intrínsecos e fisiologicos do corpo, se faz necessário a responsabilidade pessoal sobre os atos para os cuidados da saúde.

O terapeuta age na compreensão do funcionamento do Sopro da Vida e o papel crucial que desempenha seu movimento rítmico no transporte de nossas forças vitais. É um facilitador do movimento da vida.

O Dr. Stone explica: “A verdadeira saúde é a harmonia da vida dento de nós, consistindo em paz de espírito, felicidade e bem-estar. Não é simplesmente uma questão de boa forma física, mas sim um resultado da Alma encontrando expressão livre através da mente e do corpo daquele indivíduo. Tal pessoa irradia paz e felicidade e todos em sua presença automaticamente se sentem felizes e satisfeitos”.

 

Referências

  1. Kern, Michael. Libro Completo de Terapia Craniossacral. Madrid, España: Gaia Ediciones, 2002.
  2. Sills, Franklin. O processo da Polaridade- A energia como arte de Cura. 9º.edição, São Paulo: editora Pensamento, 1999.
  3. Burger, Bruce. Anatomia esotérica: o corpo como consciência. São Paulo: editora Matras, 2007.
  4. Cranial Wave. Biodynamic Craniosacral Therapy Association of North America. 2008, 2009, 2010.
  5. Menzam, Cherionna. The Breath of Life: An Introduction to Biodynamic Craniosacral Therapy. Disponível em http://www.cherionna.com/index.html
  6. Lee, Paul. The living matrix: A model for the primary respiratory mechanism. Explore 2008; 4:374-378. Elsevier 2008.
  7. Jealous, Jim. Healing and the natural world. Vol 03, no. 01. Alternative Therapies, January, 1997.
  8. Sheryl Lynn Oleski. Radiographic Evidence of Cranial Bone Mobility. Cranio: The Jornal of Craniomandibular Pratice; January 2002, V2N1 pp 34.
  9. Thought: The Collected Writings of William Garner Sutherland, D.O., Fort Worth. TX: Sutherland Cranial Teaching Foundation.
  10. Still, A. T. Philosophy and Mechanical Principles of Osteopathy. Kirksville, MO: Osteopathic Enterprises, p. 44-45.
  11. Sutherland, W. G. Teachings in the Science of Osteopathy. Fort Worth, TX: Wales, A. L., Editor.1990. Sutherland Cranial Teaching Foundation p. 14
  12. Sills, F. Craniosacral Biodynamics: Volume 2. 2004 Berkeley, CA: North Atlantic Books, p. 6.
  13. Jealous, J. The Biodynamics of Osteopathy: An Interview with James S. Jealous, D.O., 2005.CD produced by Robert M. Trafeli
  14. Judith A. Fudge. “CranioSacralDynamics”, PACE Yourself  2007, October 3, 2007.
  15. Jonh E. Upledger. A descoberta de si mesmo.
  16. Theodore Jordan.  Swedenborg’s influence on Sutherland’s ‘Primary Respiratory Mechanism’ model in cranial osteopathy. International Journal of Osteopathic Medicine 12 (2009) 100–105.
  17. John M. McPartland. The Biodynamic model of osteopathy in the cranial field. Explore, EXPLORE, January 2005, Vol. 1, No. 1


Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>