Aspectos osteopáticos sobre o mecanismo traumático de whiplash

Escrito por: Prof. Leonardo de Lima Souza, DO MRO (Br), Docente do Idot

Whiplash, também chamado chicote, é caracterizado por um mecanismo muito rápido de aceleração e desaceleração da cabeça responsável por uma transferência de energia cinética para o pescoço. “Ele pode resultar de uma colisão entre veículos vindo de trás ou para os lados, mas também pode ocorrer durante um acidente de mergulho” (HURWITZ, 2008).

Como resultado da inércia, a cabeça tende a permanecer na mesma posição enquanto o corpo é empurrado para frente. Isso tende a chicotear o pescoço. Quando isso acontece, os processos espinhosos realizam uma hiperextensão mutuamente; anteriormente, o ligamento longitudinal anterior pode ser torcido ou tenso. Podem ocorrer fraturas, embora sejam raras. As raízes nervosas envolvidas geralmente são C5, C6, C7 ou C8 (MERTZ, 1985).

Durante o whiplash, o movimento das vértebras cervicais e da cabeça é a etapa final de um processo que envolve toda a coluna vertebral, que é impelido para cima e cai bruscamente sobre o assento. Esse tipo de acidente faz com que o sacro, em posições disfuncionais, possa ser responsável pelo bloqueio do mecanismo respiratório primário com o envolvimento da dura-máter da coluna vertebral, a membrana de proteção da medula espinhal (BARRAL; CROIBIER, 1997).

Após uma chicotada, os pacientes frequentemente falam de dor generalizada em toda a coluna vertebral, mas também distúrbios autonômicos, incluindo dor de cabeça, tonturas, problemas de acomodação visual (deficiência visual, escotoma), zumbido. Eles frequentemente relatam fadiga geral, irritabilidade ou ansiedade constante, bem como problemas de concentração, sono ou de memória (BARNSLEY, 1994).

Além do comprometimento muscular, como espasmos de trapézio e multífidos (PEOLSSON, 2016), muitas pessoas com distúrbios associados com whiplash relatam problemas de visão, alguns dos quais podem ser devidos a movimentos oculares prejudicados. Uma melhor compreensão de tais movimentos oculares prejudicados poderia melhorar os diagnósticos e as estratégias de tratamento. Em uma revisão sistemática, foi examinada a evidência atual sobre mudanças nos movimentos oculares de pacientes com whiplash e explica como o sistema oculomotor é testado (ISCHEBECK, 2016).

Alterações na morfologia e função cerebral, incluindo a perfusão, a neurotransmissão e o sinal dependente do nível de oxigenação do sangue, foram demonstradas em pacientes com dor no pescoço crônica. Há algumas evidências moderadas para alterações cerebrais estruturais e funcionais em pacientes com dor no pescoço crônica (DE PAUW, 2017).

Em um estudo de Häggman-Henrikson et al. (2011), 44 de 50 pacientes (88%) descreveram dor no rosto ou face frequente como consequência do transtorno associado ao ataque cervical. O mesmo foi descrito por Sterner (2001) em um estudo prospectivo de 34 pacientes, detectando comprometimento sensorial do trigêmeo após traumatismo cervical.

A língua desempenha papéis locais e sistêmicos, afetando o comportamento e a saúde corporal. Um estudo relatou que um traumatismo cervical causa vários problemas de saúde e alterações estruturais, incluindo comprometimento funcional na área miofascial occipital, resultando em síndromes dolorosas. A dor no pescoço e a disfunção concomitante na abertura da boca podem ser observadas devido às comunicações musculares e pelas conexões neurais. O traumatismo cervical também pode causar dificuldade na deglutição, provavelmente relacionado a uma alteração morfológica e funcional da região orofaríngea (BORDONI, 2016).

 foto_tratamento_01

Fonte: Adaptado de Netter (2011).

Em um estudo realizado por Laporte et al. (2016), foram avaliadas 38 pessoas que tiveram recentemente um episódio traumático de whiplash, analisando alterações somáticas, posturais e vestibulares. No referido estudo, a função utricular foi anormal, em média, em 30% dos 37 pacientes no estágio agudo, permaneceu anormal em 30% dos pacientes testados no estágio crônico.

As análises experimentais do sistema cabeça-pescoço são extremamente comuns para lesões de whiplash. Também são constantemente estudados pela indústria automobilística, a fim de melhorar os padrões de segurança. Os pescoços mecânicos simples de “primavera” foram desenvolvidos pelos fabricantes para estudos de colisão automobilística (SANCES et al., 1981).

Luan et al. (2000) avaliou a sequência temporal da cinemática do pescoço durante o impacto. Nos primeiros 30 ms, a coluna cervical assume uma curva em forma de S, uma vez que a coluna cervical inferior começa a se estender e gradualmente faz com que as vértebras superiores se estendam.

Eventualmente, o pescoço ereto mais uma vez torna-se lordótico. Um momento de extensão atua nos níveis mais baixos da coluna cervical, enquanto uma flexão ocorre nos níveis superiores da coluna cervical. As forças de cisalhamento também estão atuando em todos os níveis da coluna cervical junto com uma força axial de tração.

foto_tratamento_02

Durante o estágio normal, o pescoço inteiro está em extensão devido a momentos de extensão em ambas as extremidades. As forças de cisalhamento e as forças axiais de tração continuam a atuar em todos os níveis. Com 180 ms após o início do impacto, a cabeça atinge a extensão máxima e começa a se recuperar. Posteriormente, o momento de extensão no pescoço superior é reduzido, fazendo com que ocorra uma hiperflexão cervical (LUAN, 2000).

 foto_tratamento_03

Discussão

O mecanismo traumático de whiplash, bem como os sinais e sintomas associados, são discutidos e investigados no âmbito científico há muito tempo. O problema do whiplash gerou não menos de 566 artigos de revisão sobre o assunto desde 1964, que resumem 3.266 artigos desde 1952 (LAPORTE, 2016). Ao longo de mais de cinco décadas, inúmeros sistemas e sintomas foram avaliados em decorrência do mecanismo traumático.

Podemos observar nos estudos citados que os efeitos inerentes do whiplash não são vistos apenas na coluna cervical ou torácica; tal mecanismo é capaz de desregular o corpo como um todo, já que todas as partes (sistemas) estão conectadas no aspecto anatômico e funcional.

No universo osteopático, tais informações detectadas nos estudos já citados, bem como outras alterações, são constantemente encontradas. O objetivo deste trabalho foi elucidar ao leitor (terapeuta) algumas das inúmeras possibilidades de repercussões a partir de um histórico de trauma; sendo assim, torna-se imprescindível uma anamnese bem minuciosa a fim de extrair informações verbais ou teciduais relevantes para desenvolver o tratamento.

Referências Bibliográficas

BECKER, R. Force factors with body physiology, 1959, Life in motion. Portland: Rudra Press, 1997.

GENESE, J. S. Osteopathic Manipulative Treatment for Facial Numbness and Pain After Whiplash Injury. The Journal of the American Osteopathic Association, jul., v. 113, n. 7, p. 564-567. 2013.

GUNZBURG, R.; SZPALSKI, M. 1998. In: BARRAL, J. P. Whiplash injury, currents concepts in prévention, diagnostics, and treatment of the cervical syndrome. Approche Ostéopathique du Traumatisme. Saint Etienne: Éditions Actes Graphiques, 1997.

HÄGGMAN-HENRIKSON, B.; GRÖNQVIST, J.; ERIKSSON, P. O. Frequent jaw-face pain in chronic whiplash-associated disorders. Swed Dent J. Bethesda, v. 35, n. 3, p. 123-131. 2011.

HURWITZ, E. et al. Treatment of neck pain: noninvasive interventions. The Spine Journal, Washington, v. 33, n. 45, p.123-152. 2008.

JONSSON JR., H. et al. Cervical spines injuries in trafic accidentvictims with skull fractures. J Spinal Disord, Philadelphia. 1991.

LAPORTE S., et al. An Attempt of Early Detection of Poor Outcome after Whiplash. Frontiers in Neurology, Lausanne, v. 7, 2016. Disponível em: <https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fneur.2016.00177/full >. Acesso em: 02 nov. 2017.

MACDERMID, J. et al. A Qualitative Description of Chronic Neck Pain has Implications for Outcome Assessment and Classification. The Open Orthopaedics Journal, Sharjah, v. 10, p. 746-756. 2016.

MCCONNEL, W. E. et al. Analysis of human test subject responses to low velocity rear end impacts. Proceedings of the 37th STTAP car crash conference, 1993. Disponível em: <http://papers.sae.org/930889/>. Acesso em: 20 nov. 2017.

MERTZ, H. J. Anthropomorphic models. The Biomechanics of Trauma. In: NAHUM, A. M.; MELVIN, J. Appleton-Century-Crofts, Norwalk, CN, p. 31-60. 1985.

NETTER, F. H. Atlas de anatomia humana. 5. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2011.

PANJABI, M. M; ABUMI, K.; DURANCEAU, J.; CRISCO, J. J. Biomechanical evaluation of spinal fixation devices: II. Stability provided by eight internal fixation devices. 1988. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3206271>. Acesso em: 02 nov. 2017.

PEOLSSON, A. et al. Multivariate analysis of ultrasound- recorded dorsal strain sequences: Investigation of dynamic neck extensions in women with chronic whiplash associated disorders. Scientific RepoRts, v. 6. 2016. Disponível em: <https://www.nature.com/articles/srep30415>. Acesso em: 02 nov. 2017.

SANCES et al. Bioengineering analysis of head and spine injuries. CRC Critical Reviews in Bioengineering, Bethesda, v. 6, n. 79. 1981.

SKOVRON, M. L. et al. Scientific monograph of the Quebec. Task Force on Whiplash-Associated Disorders: redefining “whiplash” and its management. Spitzer WO. Spine 1995.

STERNER, Y; TOOLANEN, G.; KNIBESTÖL, M.; GERDLE, B.; HILDINGSSON, C. Prospective study of trigeminal sensibility after whiplash trauma. J Spinal Disord, Philadelphia, v. 14, n. 6, p. 479-486. 2001.

 

Update Quebec Task Force Guidelines for the Management of Whiplash-Associated Disorders. 2001.



Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>